quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Verão: Cuide-se (01) Intermação/Insolação


Chegou o verão, período que dura de 21 de dezembro a 20 de março. Pensar nesta estação, remete a imagens de praia, biquine novo, viajar pelo litoral, piscina, caminhada na praia, muito sol ... curtição!

Apesar de tudo, temos que ter cautela nesse período. Para curtir sem sequelas é necessário cuidados básicos como uso de protetor solar durante todo o dia, pois as agressões sofridas pela camada de ozônio decorrentes de poluição, efeito estufa, alterações climáticas não nos dá o luxo de escolher em qual horário vamos nos expor. Além da necessidade constante de hidratação (sucos naturais, água, água de coco), evitando excesso de álcool e refrigerantes, assim como é imprescindível a ingesta de alimentos saudáveis, ricos em vitaminas e que favoreçam o nosso organismo.

As lesões relacionadas ao calor (hipertermia) enquadram-se em três categorias principais: intermação ou insolação, exaustão por calor e cãimbras por calor, de ocorrência mais comum em temperatura e umidade altas e pouco ou nenhum vento. Os mais susceptíveis são atletas; pessoas que trabalham próximas a fornos/fogões; pessoas fisicamente debilitadas; alcoolatras; obesos; pessoa com doença crônica; pessoas que não se ajustaram ao ambiente; doentes cardíacos; usuários de certas drogas (como diuréticos); vitíma de queimadura; idosos; crianças.






INTERMAÇÃO OU INSOLAÇÃO

É uma emergência potencialmente fatal que ocorre quando os mecânismos de regulação do calor corporal sucumbem ou falham ao resfriar o corpo. O corpo fica aquecido e quase metade das vítimas não suam. Por não ocorrer resfriamento, o corpo armazena quantidades crescentes de calor, os mecânismos de produção de calor se aceleram, e consequentemente, as células cerebrais sofrem dano, causando invalidez permanente ou morte. As vítimas sem tratamento morrem. Existem dois tipos de intermação: a clássica, na qual as pessoas perdem habilidade de suar (geralmente afetando indivíduos idosos ou pessoas com doenças crônicas durante uma onda de calor) e a por esforço, na qual as vítimas envolvidas em esforço físico e tensão muscular retêm a habilidade de suar.

Sinais de Intermação/Insolação: Temperatura do corpo igual ou superior a 40,5°C; pele avermelhada e quente; pulso inicialmente rápido e forte; pulso posteriormente rápido e fraco; pupilas inicialmente contraídas; pupilas posteriormente dilatadas;  tremores; confusão mental e ansiedade; irritabilidade ou agressividade; respiração inicialmente profunda e rápida; respiração posteriormente superficial e fraca; dor de cabeça; boca seca; falta de ar;  perda de apetite; náusea e vômito; tontura e fraqueza; crises convulsivas ou colapso repentino. Todas as vitimas de intermação/insolação mostram níveis comprometidos de consciência, variando de desorientação ao coma.

Atendimento de Emergência: Cada minuto é importante. O atendimento visa resfriamento imediato do corpo.

1- Estabeleça as vias aéreas e, quando possível, remova a vítima da fonte de calor.

2 - Remova o máximo possível de vestimentas da vítima, até sua roupa íntima; levante levemente sua cabeça e os ombros, e em seguida, utilize uma combinação dos seguintes métodos para resfriá-la até que seu estado mental retorne ao normal:

  • Se a umidade for alta, coloque a vítima em uma banheira de água fria (abaixo de 15,5°C) e revolva suavemente a água para não permitir que o corpo esquente a camada de água ao redor da vítima.

  • Verta ou borrife água fria sobre o corpo da vítima (método não eficaz se a umidade for alta)

  •  Coloque compressas frias ou bolsa de gelo enrolada sob os braços, virilha, ao redor do pescoço, atrás de cada joelho e ao redor dos tornozelos da vítima para resfriar os principais vasos sanguíneos superficiais.

  • Envolva um lençol molhado na vítima e, em seguida, coloque-a diante de um ventilador.

  • Se a vítima começar a ter calafrios, diminua o método de resfriamento (0s tremores de frio produzem calor)

  • Nunca use álcool isopropílico para esfriar a pele, pois a pele absorve o álcool, o que pode ser tóxico.
3 - Nunca dê estimulantes ou bebidas quentes para a vítima

4 - À medida que o corpo esfria, podem ocorrer crises convulsivas ou vômito. Posicione a vítima para facilitar uma drenagem fácil.

5 - Monitore a temperatura da vítima enquanto espera a chegada de uma equipe de resgate. Se a temperatura começar a subir, retome aos procedimentos de resfriamento. (A temperatura deve cair para menos de 37,7°C e permanecer baixa até o perigo passar.)

Fonte: FRADSEN, K. J.; HAFEN, B. Q.; KARREN, K. J. Guia de primeiros socorros para estudantes. 7ª ed. São Paulo: Manole, 2002, p.413-416

Nenhum comentário:

Postar um comentário