segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Fisiologia: Como ocorre a menstruação?



A maioria das mulheres menstruam e por ser fato normal entre o gênero não costumam buscar informações sobre como funciona esse processo natural, geralmente a informação que todas tem é de qual medicamento toma em caso de dismenorreia (cólica menstrual). 

Há quem prefira a amenorréia, que é a ausência da menstruação, eu sou uma adepta, optei por um anticoncepcional trimestral para este fim.



Sistema Reprodutor Feminino

A hipófise anterior das meninas, como a dos meninos, não secreta praticamente nenhum hormônio gonadotrófico até a idade entre 10-14 anos. Entretanto, por essa época, começa a secretar dois hormônios gonadotróficos. GnRH é um neurotransmissor que regula as gonadotrofinas hipofisárias. Ele se liga aos gonadótrofos hipofisários, situados na adenohipófise e produzem as gonadotrofinas (LH e FSH).No inicio, secreta, principalmente FSH que inicia a vida sexual na menina em crescimento, mais tarde secreta o LH que auxilia no controle do ciclo menstrual. FSH causa a proliferação das celulas foliculares ovarianas e estimula a secreção do estrógeno, levando as cavidades foliculares a desenvolverem-se e a crescer. LH aumenta ainda mais a secreção das células foliculares, estimulando a ovulação.


Genitália feminina



Genitália Externa - Vulva

Cobre e protege o meato uretral, inclui:
  • Monte de Vênus ou Monte púbico
  • Pregas Tegumentárias ou formações labiais, grande e pequenos lábios
  • Espaço Interlabial ou fenda vulvar: vestíbulo, meato uretral, intróito vaginal e hímen
  • Órgãos eréteis: Clítóris e bulbovestibulares
  • Glândulas Acessórias: Skene e Bartholin
Genitália Interna - Vagina

Órgão de cópula, recebe pênis e semen ejaculado

  • Útero: retém óvulo fecundado possibilitando o desenvolvimento e crescimento, expulsa o bebê no parto ou antes, em caso de aborto. Também é o órgão da gestação.
  • Tubas ou Trompas de Falópio recolhem o óvulo e conduzem ao útero, são os ovidutos
  • Ovários são gônadas, produzem os óvulos
Carúncula Himenal é o que restou do hímen após várias relações sexuais e principalmente após o parto.

 
Hormônios Sexuais Femininos


SNC manda mensagem para o hipotálamo que irá estimular GnRH, que irá estimular a produção de FSH e LH.
Os dois hormônios ovarianos, o estrogênio (ou estrógeno) e a progesterona são responsáveis pelo desenvolvimento sexual da mulher e pelo ciclo menstrual.  

 Estrogênio

A função do estrógeno é induzir as células de muitos locais do organismo a proliferar, isto é, aumentar o número. Por exemplo: A musculatura lisa do útero, aumenta tanto que o órgão, após a puberdade, chega a duplicar ou mesmo triplicar de tamanho. O estrogênio também provoca aumento da vagina e desenvolvimento dos lábios que a circundam, faz o pubis se cobrir de pêlos, os quadris se alargarem e o estreito pélvico assumir a forma ovóide, em vez de afunilar como no homem; provoca o desenvolvimento das mamas e a proliferação dos seus elementos glandulares e, finalmente, leva o tecido adiposo a concentrar-se na mulher em áreas como os quadris e coxas, dando-lhes arredondamento típico do gênero. Em resumo, todas as características que distinguem a mulher do homem são devido a presença do estrogênio e a razão básica para o desenvolvimento dessas características é o estímulo à proliferação dos elementos celulares em certas regiões do corpo. O estrogênio também estimula o crescimento de todos os ossos após a puberdade, mas promove rápida calcificação óssea fazendo com que as partes dos ossos que crescem se extingam dentro de poucos anos, de forma que o cresscimento pára. A mulher nessa fase cresce mais rapidamente que os homens, porém pára nos 1°s anos de puberdade. O estrogênio tem efeitos muito importantes no revestimento interno do útero, o endométrio no ciclo menstrual.

Progesterona

Está principalmente relacionado à preparação do útero para a aceitação do embrião e à preparação das mamas para a secreção láctea. Em geral, a progesterona aumenta o grau da atividade secretória das glândulas mamárias, e também das células que revestem a parede uterina, acentuando o espassamento do endométrio e fazendo com que ele seja intensamente invadido por vasos sanguíneos, determina ainda o surgimento de numerosas glândulas produtoras de glicogênio. Finalmente a progesterona inibe contrações do útero, impedindo assim, a expulsão do embrião que está se implantando ou do feto em desenvolvimento.



Ciclo Menstrual

O ciclo menstrual é causado pela secreção alternada de FSH e LH pela hipófise, e dos estrógenos e progesterona pelos ovários. A menstruação é uma descamação do endométrio acompanhada de saída de sangue. Isto ocorre, porque os ovários reduzem muito a secreção de hormônios e estes, por mecanismos, reduzem o estímulo do endométrio, cujas celulas morrem e descamam. 

A adenohipófise secreta maiores quantidades de FSH com pequenas quantidades de LH. Juntos, eles promovem o crescimento  de diversos folículos nos ovários e acarretam uma secreção considerável de estrógeno. Acredita-se que o estrogênio tenha, então dois efeitos sequenciais sobre a secreção da adenohipófise. Primeiro, inibiria a secreção dos FSH e LH, fazendo com que suas taxas declinassem a um mínimo por volta do 10° dia do ciclo. Depois, subitamente a adenohipófise começaria a secretar  quantidades muito elevadas de ambos os hormônios, mas principalmente de LH. É essa a fase de aumento súbito da secreção que provoca o rápido desenvolvimento final de um dos folículos ovarianos e a sua ruptura dentro de cerca de 2 dias.

O processo de ovulação, que ocorre por volta do 14° dia de um ciclo de 28, conduz ao desenvolvimento do corpo lúteo ou corpo amarelo, que secreta quantidades elevadas de progesterona e quantidades consideráveis de estrogênio.

O estrogênio e a progesterona secretados pelo corpo lúteo inibem novamente a adenohipófise, diminuindo a taxa de secreção dos hormônios FSH e LH. Sem esses hormônios para estimulá-lo, o corpo lúteo involui, de modo que a secreção de estrogênio e progesterona cai para níveis muito baixos. É nesse momento que a menstruação se inicia, provocado por esse súbito declínio na secreção de ambos hormônios. Nessa ocasião, a adenohipófise que estava inibida pelo estrogênio e pela progesterona, começa a secretar outra vez grande quantidade de FSH, iniciando novo ciclo.


 

O 1° dia do ciclo menstrual é o dia de inicio da menstruação, 

não importa quantos dias dure!
 

No 1° dia da menstruação inicia-se o ciclo menstrual, que dura em média 28 dias. Após estes, caso não tenha acontecido a fecundação, ocorre um novo sangramento, ou seja, uma nova menstruação, iniciando-se um novo ciclo menstrual. O Sistema Nervoso Central (SNC) manda uma mensagem para o hipotálamo que irá estimular o GnRH a estimular a produção de FSH (Hormônio Folículo Estimulante) e LH (Hormônio Luteinizante). No inicio do ciclo a quantidade de FSH estará alta para que ocorra a estimulação e assim o folículo primário se desenvolva, também ocorre aumento de estrogênio para ocorrer Epitelização do útero. A medida que o folículo primário vai se desenvolvendo, diminui o FSH e aumenta o LH que amadurecerá o folículo, transformando-o de primário em secundário, folículo de Graaf. E ocorrerá também a formação de Corpo Lúteo que secretará grande quantidade de progesterona. Próximo ao 14° dia que é o pico de LH e progesterona para que ocorra a extrusão do óvulo, enquanto que a progesterona preparará o útero para receber o óvulo fecundado e impede que outro folículo se desenvolva. Ocorrendo fecundação, o corpo lúteo se chamará Corpo Luteo da Gravidez e permanecerá com níveis altos de progesterona e estrogênio para manter a gravidez até que a placenta seja formada para desempenhar  o papel do mesmo.




Em caso de regressão do Corpo Lúteo (atrofia) ocasiona queda de estrogênio e progesterona. O endométrio que é a camada superficial perde seu suprimento, se descama após degenerar. A menstruação é resultado da descamação do endométrio, daí a presença do sangramento.

Enquanto o endométrio descama, o FSH começa a ser secretado em maior quantidade pela hipófise, fazendo com que se desenvolvam os folículos ovarianos. Os folículos ovarianos são bolsas de líquido que contém óvulos ou oócitos.

Perto do 7° dia do ciclo, o FSH começa a diminuir. Com a falta dele, alguns folículos param de crescer e morrem. Por isso, em cada ciclo menstrual, de todos aqueles folículos recrutados que começam a crescer, apenas um ou raramente dois, se desenvolve até o fim e assim ocorre a ovulação.
Durante o crescimento, o folículo secreta quantidades cada vez maiores de estrogênio, que produz alteração nas mulheres. Ele estimula o crescimento do endométrio - depois da menstruação, o endométrio fica muito fino. Conforme a secreção de estrogênio vai aumentando, começa a tornar espesso e se prepara para a implantação do embrião. Além de estimular a secreção de muco pelo canal cervical. Quanto mais estrogênio é secretado, mais o muco tende a ficar receptivo ao espermatozóide. Quando a quantidade de estrogênio no sangue é máxima, o endométrio atinge também o máximo de crescimento e o muco se torna ótimo para ser penetrado pelo espermatozóide. Nessa ocasião, é estimulada a secreção de LH que aumenta muito depressa no sangue e atinge o máximo, o chamado "pico de LH".

Algumas horas após ocorrer a Ovulação, muito do LH secretado é retirado pelos rins e eliminado na urina. Por isso, a medida de LH na urina pode ser utilizada para detectar um período muito próximo a ovulação. Em média, a ovulação ocorre no 14° dia do ciclo menstrual (mas pode ocorrer antes ou depois, sem impedir gravidez).

Algumas formas de conhecer o intervalo de dias dentro do qual acontece a ovulação:
  • Dor no baixo abdomen

  • Secreção de muco cervical

  • Temperatura do corpo

  • Testagem de hormônios



Após a ovulação, o folículo se transfoma em corpo lúteo e passa a fabricar estrogênio e progesterona, que vai terminar o preparo do endométrio para a implantação do embrião. Mais ou menos entre o 6° e 8° dia após a ovulação, o nível de progesterona no sangue atinge o máximo e a medida deste hormônio no sangue, se for baixa é causa de infertilidade. Se não ocorrer a implantação do embrião, param de ser fabricados pelo corpo lúteo, seu nível diminui e se inicia a menstruação. 






Por que o endométrio descama?

Devido a regressão do corpo lúteo, há uma queda na produção de estrogênio e progesterona produzidos pelos ovários, reduz assim, o estímulo no endométrio, então as células morrem e descamam.

O que ocorre depois da descamação?

A hipófise secreta FSH em grande quantidade e ocasiona crescimento de folículos ovarianos, próximo ao 7° dia do ciclo, havendo queda de FSH. 

Com a falta de FSH, o que ocorre?

Alguns folículos param de crescer e morrem, apenas um ou raramente dois, se desenvolve até o fim com influência do LH que conduz a maturação com crescimento do folículo, secreta estrogênio em grande quantidade.

O que faz o estrogênio?

Estimula o crescimento do endométrio tornando-o mais espesso, preparando-o para a implantação do embrião. E quanto mais estrogênio for secretado, mais o muco se torna receptivo ao espermatozóide. Então, máximo de estrogênio, máximo de crescimento atingido pelo endométrio.

E nessa ocasião, o que ocorre?

Estimulada a secreção de LH, atinge seu pico.


CICLO MENSTRUAL EM 4 FASES

Fase menstrual: Corresponde aos dias de menstruação, dura cerca de 3-7 dias.

Fase proliferativa ou estrogênica: Período de secreção de estrogênio pelo folículo ovariano, que se encontra em maturação.

Fase secretora ou lútea: O final da fase proliferativa e o inicio da lútea é marcado pela ovulação. Essa fase é caracterizada pela intensa ação do corpo lúteo. O corpo lúteo produz progesterona e estrogênio, se não houver a gravidez, ele dura 14 dias.

Fase pré-menstrual ou isquêmica: Período de queda das concentrações dos hormônios ovarianos, quando a camada superficial do endométrio perde seu suprimento sanguíneo normal e a mulher está prestes a menstruar. Com a regressão do corpo lúteo, caem os níveis de estrogênio e progesterona, assim o endométrio descama e ocorre a menstruação. Dura cerca de 2 dias, podendo ser acompanhada por cefaléia (dor de cabeça), dor nas mamas, alterações psiquicas como irritabilidade (TPM) e insônia.

E depois da menstruação? (RESUMO)

Os ovários começam a desenvolver folículos, estruturas arredondadas preenchidas por líquido, onde os óvulos se desenvolvem. Esse desenvolvimento depende de FSH. Os folículos produzirão estrogênio, que tem função de fazer o endométrio se desenvolver e tornar mais espesso. Vários folículos podem crescer, mas apenas um ou raramente dois, liberará o óvulo no momento da ovulação. O que atinge maior tamanho - Folículo dominante -  é o responsável pela produção de estrogênio. Aproximadamente na metade do ciclo menstrual, o folículo dominante já está bem desenvolvido e o nível de estrogênio aumenta rapidamente, leva liberação de LH. Ocorre pico de LH na fase pré-ovulatória para que ocorra a maturação do folículo. Rompe o folículo, é liberado líquido do interior mais o óvulo. Ocorre a ovulação. Pós - ovulação no óvario ocorre formação de corpo lúteo, onde havia o folículo dominante. O corpo lúteo é responsável pela produção de progesterona que tem a função de amadurecer o endométrio, sua ação é de estimular o desenvolvimento e secreção de glândulas do endométrio que é essencial para a nutrição do embrião nos primeiros dias da gravidez.


REFERÊNCIAS

GUYTON, A.C.; HALL, J.E. Tratado de Fisiologia Médica. 11ª ed. Rio de Janeiro, Elsevier Ed., 2006.

BARROS, S. Enfermagem no Ciclo Gravídico Puerperal. 27ª Ed; Editora Manole, Barueri-SP, 2006.

Nenhum comentário:

Postar um comentário