sábado, 7 de abril de 2012

Polêmica: Silas Malafaia x Homossexuais x Mídia


Hoje pela manhã quando acordei, ouvi a voz do pastor Silas Malafaia e um tom de pura indignação. Quando sentei à mesa para tomar meu café fora do meu horário habitual, prestei atenção ao assunto e entendi o motivo de tanto estresse e não era para menos. Que fique bem claro, não sou evangélica, não me denomino católica ou de qualquer outra religião. Sou "crente" por acreditar em Deus, mas creio na espiritualidade. E mais, sou heterossexual e não tenho nada contra homossexuais, certamente quem já leu alguns posts meus está ciente disso. Sou veementemente contra os que deturpam  a imagem alheia, não aceito mentiras em prol de uma suposta causa maior ou assim considerada por outros ao bel prazer. Tenho grande admiração pelo Pastor Silas Malafaia, porque ele não usa o nome de Deus para cativar ninguém, ele prega a fim de que se conheça as palavras da Bíblia e é o tipo que não se esconde nelas para arrecadar dinheiro dos fiéis. Pelo contrário, ele fala o que pretende, critica como acha que deve, eu o vejo como um homem autêntico. Problema dele se estiver envolvido com qualquer fator ilícito, não me cabe julgar. Se ele teme a Deus como alerta ao "rebanho" que o segue, principalmente na posição de pastor, ele deve saber o que faz e o que diz. O programa dele, talvez seja o único que assisto de vez em quando, porque detesto hipocrisia... Já estive em diversos cultos religiosos promovidos por diversos segmentos evangélicos e fui a uma pregação do Pastor Silas em Salvador, e não me decepcionei como muito já me ocorreu. Gosto de quem fala o que pensa! Embora não concorde em 100% do que ele fala, mas admiro a postura que defende. Mas vamos lá... 

Se alguém se diz contra o homossexualismo, por motivos religiosos e pregação bíblica, isso o faz um homofóbico?

Pelo fato de ter graduação em uma distinta área, as pessoas são obrigadas a abrir mão de suas convicções religiosas?

Se as instituições religiosas não concordam com o homossexualismo, por questões  de caráter bíblico, isso quer dizer que pregam a homofobia?

Num país que é considerado democrático, onde o voto é obrigatório, onde tudo gira em torno do duplo sentido (as músicas que o digam)... por acaso é pecado a um cidadão usar termos de duplo sentido ( termo popular) em sua fala? 

É correto ser lançado na imprensa, citações recortadas de fala de outros, mudando o sentido do contexto geral, a fim de causar desconforto e até mesmo denegrir a imagem de uma pessoa, apenas por questões de antipatia?

Num país onde a imprensa com apoio de diversos grupos, briga a favor da liberdade de expressão, é corretor editar falas alheias a fim de promover contendas e balburdias indevidas contra um segmento religioso?

É obrigação de qualquer órgão público ou privado, ao fazer uma acusação séria, mostrar às claras a razão pela qual a denúncia foi feita, é preciso provas contundentes e irrepreensíveis sobre tal acusação.

Vamos aos fatos, segue abaixo um vídeo para relembrar o que desencadeou esse falatório:


Sou a favor do respeito aos homossexuais, pois opção sexual não deve ser critério para respeitar ou não uma pessoa. Sou contra a violência e todo tipo de barbárie que vem sendo feita contra o ser humano, seja ele 'hetero' ou gay! Mas convenhamos, se católicos pregam que as imagens são figuras divinas, cultuadas há séculos e levada como questão de extrema seriedade, que foi que deu na cabeça de quem fez a organização da festa em permitir que essa imagens fossem expostas de tal modo? Eu vejo como provocação e falta de respeito! Tantas coisas livres no mundo e resolvem profanar imagens sacras? Mesmo em prol de uma causa verdadeira, como o uso da camisinha. Tantas coisas criativas a se fazer, por que usar símbolos religiosos? Eu não tenho fé em imagens ou esculturas, mas respeito os que em frente a uma imagem se benzem e sobem escadas de joelho pagando promessas. Não tenho que impor minhas crenças aos outros... Contudo, quem sou eu para tirar o mérito dos ditos santos? Só prego que o bom senso é algo que jamais vai sair de moda, assim como o respeito aos outros!

Uma das manchetes do caso:

"Silas Malafaia defendeu na TV que Igreja Católica deveria "baixar o porrete" nos homossexuais que usaram símbolos católicos na Parada Gay." (O verbo, em 5/4/12)

O que você entende por essa colocação?


É importante compreender os fatos antes de emitir opiniões, pois sempre é fácil apontar o dedo para qualquer lado, sem conceder o bônus da dúvida!

Assista o programa Vitória em Cristo de hoje, sábado 07 de abril de 2011

Ele apresenta os documentos do processo, mostra as denúncias feitas pelos grupos envolvidos, mostra a manipulação da imprensa quanto às suas falas e etc. Assista!


Que eu saiba, para que informações sejam divulgadas em qualquer meio devem ser comprovadas, ou seja, é imprescindível que sejam verdadeiras e que existam provas de sua veracidade.  


Em defesa, o pronunciamento do Senador Magno Malta:



É por isso que eu "METO O PAU e BAIXO O PORRETE" em quem sacaneia os outros!!! 

É uma fala minha, mas para que não haja deturpação, deixo aqui documentado que estou usando termos de duplo sentido e que sou veementemente contra a incitação da violência física ou de qualquer gênero da mesma. Para quem tem bom senso e o mínimo de inteligência, nem seria preciso justificar minhas palavras. Um dos problemas do ser humano está em aceitar toda e qualquer informação veiculada, sem buscar as fontes. É fácil aceitar a ideia de que 'fulano' falou XYZ quando na verdade, nem sabia do que se tratava ou que o diga várias celebridades que tiveram divulgadas opiniões ditas como suas e que causaram polêmicas ou dúvidas a seu respeito, ou ainda, notícias de suas mortes e até mesmo do cronograma de seu velório e enterro. Assim como, mudar o sentido de uma oração pode mudar todo o contexto, o uso de pontuação errada também faz maior estrago. Para quem tem o mínimo de conhecimento da língua portuguesa, isso é crucial. Não estou aqui me pondo em defender o Pastor Silas Malafaia, mas o que quero é ressaltar a falta de respeito e o uso de má fé, como é fácil destruir a imagem de uma pessoa usando suas palavras crendo na cegueira e na preguiça das pessoas que não se interessam em verificar fundamentações, mas se regozijam em ver o circo pegar fogo. Num país como o nosso, em pleno desenvolvimento, seria ético a busca pela verdade, o respeito por opiniões e pelos outros, a liberdade de expressão baseada em fatos e não em "eu acho". Falta no Brasil, educação para todos, de modo que auxilie a formação de senso crítico. Pois, quando há senso crítico em prática, os erros tendem a aparecer menos e assim como, máculas desnecessárias. E aos que detém o poder, seja de conhecimento  adquirido ou de lei e normas, primeiro que se deem ao luxo de averiguar informações antes de se exporem ao ridículo por mera troca de favores. Se a imprensa usasse sua liberdade para denunciar mais aqueles que detonam a imagem do país, ganharíamos mais. Se fossem expostos os podres dos favores políticos que favorecem a alguns em detrimento de outros, prova disso é o fato de tanta gente graduada estar sem emprego, pois o apadrinhamento político simplesmente é denominante. A imprensa não pode se afundar nessa lama, os componentes de grupos não devem permitir ataques em seus nomes seja em ações ou declarações que não tenham fundamentação real. Se isso persistir, teremos nas publicações, apenas um dado real, a data de publicação, assim como citou certa vez Luís Fernando Veríssimo: "Ás vezes, a única coisa verdadeira num jornal é a data". Se isso se tornar uma constante, estaremos perdidos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário